Distribuição de medicamentos no Brasil: o que todo novo gestor deve saber

Distribuição de medicamentos no Brasil: o que todo novo gestor deve saber

Picture of <span class="artigo-escrito">Artigo escrito por: </span>Interplayers

Artigo escrito por: Interplayers

O hub que se conecta ao seu negócio empregando tecnologia e inovação na construção de jornadas de saúde e bem estar

Foto ilustrativa: distribuição de medicamentos, o que gestores precisam saber

A distribuição de medicamentos é um setor dinâmico e essencial, que assegura a disponibilidade de tratamentos em todo o território nacional e mantém o fluxo de saúde coletiva e dinamismo econômico.

Este setor é particularmente crítico porque lida diretamente com a qualidade de vida da população e com a eficiência do sistema de saúde como um todo.

Pensando nisso, preparamos este artigo para oferecer aos novos gestores uma visão abrangente e estratégica sobre os modelos de distribuição de medicamentos no Brasil, elucidando os caminhos que podem ser percorridos para maximizar a eficácia e a eficiência dentro deste setor complexo e altamente regulado.

Visão geral dos modelos de distribuição de medicamentos

A distribuição de medicamentos no Brasil pode ser categorizada em três modelos principais, cada um com suas particularidades e métodos operacionais específicos:

Atacadista

Os atacadistas possuem abrangência nacional, cobrindo grandes regiões do Brasil. Eles operam com uma política comercial própria e dispõem de um amplo catálogo de produtos que atende a uma variedade generalista de medicamentos e produtos de saúde.

Suas estratégias comerciais são voltadas para a distribuição em larga escala, visando alcançar uma extensa malha de farmácias e hospitais, garantindo o acesso contínuo aos produtos essenciais em todas as regiões.

Operador logístico

Os operadores logísticos possuem abrangência regional, focando em áreas específicas dentro do país.

Diferente dos atacadistas, que têm uma cobertura nacional, os operadores logísticos estão centrados na otimização logística, utilizando estratégias de distribuição que frequentemente incluem descontos fixos para facilitar o fluxo de produtos.

Enquanto os atacadistas operam com uma ampla variedade de medicamentos e produtos de saúde, os operadores logísticos costumam se especializar na distribuição de produtos de laboratórios específicos, ajustando suas operações para atender demandas regionais com eficiência.

Modelos de indústria

Os modelos de indústria apresentam operações alinhadas diretamente com as políticas da indústria farmacêutica, diferenciando-se dos atacadistas e operadores logísticos.

Enquanto os atacadistas possuem uma abrangência nacional e os operadores logísticos focam em áreas regionais, os modelos de indústria operam sob rigorosas regulamentações e políticas comerciais específicas da indústria farmacêutica.

A distribuição neste modelo é intensamente regulada, com foco em produtos específicos. Suas estratégias comerciais são caracterizadas por um relacionamento estreito e estratégico com a indústria, visando otimizar o lançamento e a distribuição de novos produtos no mercado.

Perfis de distribuidores de medicamentos

Na distribuição de medicamentos, entender o perfil dos distribuidores é decisivo para alinhar estratégias operacionais e comerciais que atendam às demandas do mercado e às regulamentações do setor.

Seguindo a tabela abaixo, vamos explorar os perfis de distribuidores — grande, médio e pequeno — e como eles se ajustam aos modelos de distribuição descritos anteriormente.

 

Perfil DistribuidorAtuação e RegiãoCaracterísticas e EstratégiasFocoPúblico-alvo e Mercado
Grande Atacadista NacionalBrasil e Grandes RegiõesPoder de Barganha, Catálogo Completo A-ZVerticalização, VolumeVarejo, abrangência nacional
Médio Distribuidor RegionalRegião de InfluênciaServiço personalizado, Foco em LaboratórioHorizontalização, ServiçoVarejo Regional, serviços especializados
Pequeno DistribuidorRaio de AbrangênciaRelacionamento direto, Foco em produtos específicosPresencial, Oportunidades locaisNicho, mercado local, contato direto

Grande atacadista nacional

Os grandes atacadistas nacionais são grandes players no mercado de distribuição de medicamentos. Com um alcance abrangente que cobre todo o território nacional, eles possuem significativo poder de barganha devido ao seu volume de compra e diversidade de produtos.

  • Catálogo completo: possuem um extenso catálogo de produtos que inclui desde medicamentos básicos até os mais especializados, atendendo a uma vasta gama de necessidades de saúde.
  • Estratégia de verticalização: estes distribuidores muitas vezes optam pela verticalização, controlando diferentes etapas da cadeia de suprimentos. Isso lhes permite reduzir custos, aumentar a eficiência operacional e melhorar a gestão de estoque.

Distribuidor regional de médio porte

Os distribuidores de médio porte focam em regiões específicas, oferecendo serviços adaptados às necessidades locais, o que os torna essenciais para a capilaridade da distribuição.

  • Serviço personalizado: oferecem um serviço mais personalizado, muitas vezes com suporte técnico e logístico que atende especificamente às demandas regionais.
  • Foco em horizontalização: engajam-se na horizontalização, expandindo sua presença e serviços dentro da região através de aquisições ou fusões, o que permite um aumento de mercado sem diversificar demais as linhas de produto.
  • Varejo regional: são cruciais para o atendimento do varejo regional, estabelecendo fortes relações comerciais com farmácias e hospitais locais.

Pequeno distribuidor

Pequenos distribuidores têm um papel único, enfatizando o atendimento direto e personalizado, o que os torna fundamentais para áreas menos densamente povoadas ou mercados de nicho.

  • Relacionamentos diretos: mantêm relacionamentos próximos com seus clientes, o que permite um serviço altamente adaptado e pessoal.
  • Foco presencial: sua operação é marcantemente presencial, com interações diretas sendo um componente chave de suas estratégias de vendas e suporte.
  • Oportunidades locais: excelentes em identificar e explorar oportunidades locais, adaptando-se rapidamente às mudanças no mercado local.

Desafios e oportunidades no setor

A distribuição de medicamentos no Brasil enfrenta vários desafios que impactam diretamente sua eficácia e eficiência. Entre os mais significativos estão as regulações governamentais e a dependência de importações.

Regulações governamentais

O Brasil possui um regime regulatório rigoroso para a distribuição de medicamentos, que inclui controle de preços, aprovações regulatórias extensas para novos produtos e requisitos rigorosos de rastreabilidade.

Essas regulações garantem a segurança e a eficácia dos medicamentos disponibilizados ao público, mas também impõem desafios logísticos e aumentam os custos operacionais.

Dependência de importações

A indústria farmacêutica brasileira depende significativamente de ingredientes farmacêuticos ativos e outros insumos importados, principalmente da Ásia. Isso cria uma vulnerabilidade a interrupções na cadeia de suprimentos global, como visto durante eventos de crise global.

Por outro lado, o setor também apresenta oportunidades notáveis:

Crescente demanda por vendas online

O crescimento do e-commerce no setor farmacêutico oferece uma oportunidade significativa para os distribuidores expandirem seu alcance de mercado B2B e melhorarem a conveniência para os clientes, atendendo à demanda crescente por plataformas de compra online.

Medicamentos genéricos

Existe uma demanda crescente por medicamentos genéricos no Brasil, impulsionada pela necessidade de opções de tratamento mais acessíveis. Isso representa uma oportunidade para os distribuidores que podem efetivamente gerenciar e expandir suas linhas de produtos genéricos.

Regulação e Compliance

Manter a conformidade com as normas regulatórias é fundamental no setor de distribuição de medicamentos. No Brasil, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão responsável pela regulamentação e supervisão do mercado farmacêutico.

Os distribuidores devem assegurar que todos os aspectos da logística, armazenamento e manuseio de medicamentos atendam às diretrizes estabelecidas para garantir a integridade e a segurança do produto até o consumidor final.

Dicas práticas para gestores

Para gerenciar eficazmente uma operação de distribuição de medicamentos, os gestores devem:

  • Fortalecer relacionamentos com indústrias e varejo: cultivar parcerias sólidas com a indústria e o varejo para garantir a estabilidade da cadeia de suprimentos e obter melhores condições de negociação.
  • Implementar tecnologias avançadas: adotar plataformas de negócios para logística e distribuição que otimizem o inventário, melhorem a rastreabilidade e aumentem a eficiência operacional.
  • Foco em formação continuada: investir na capacitação contínua da equipe para assegurar que todos estejam atualizados com as melhores práticas e regulamentos do setor.

Este artigo ofereceu um panorama dos principais modelos de distribuição de medicamentos no Brasil e discutiu desafios e oportunidades relevantes. Cabe frisar que este é um setor dinâmico, portanto, os conceitos apresentados aqui podem estar em constante transformação.

Para os novos gestores no setor, é fundamental aplicar as estratégias discutidas para garantir o sucesso operacional, a conformidade regulatória e a satisfação do cliente. Com dedicação, atualização constante e implementação de práticas recomendadas, os gestores estarão bem-posicionados para liderar com eficácia neste setor vital.

Compartilhe

Talvez você goste também
Estratégia Comercial Retail no canal Farma: como garantir o abastecimento em todo o canal

Estratégia Comercial Retail no canal Farma: como garantir o abastecimento em todo o canal

O abastecimento sem rupturas em todo o canal farma, tanto se...
Picture of <span class="artigo-escrito">Por: </span>Interplayers

Por: Interplayers

A InterPlayers no mercado Non Retail: como construímos nossa expertise

A Interplayers no mercado Non Retail: como construímos nossa expertise

No início dos anos 2000, uma série de eventos importantes mo...
Picture of <span class="artigo-escrito">Por: </span>Interplayers

Por: Interplayers

Análise do Canal Non Retail: tendências para 2022

Análise do Canal Non Retail: tendências para os próximos anos

O que esperar para o mercado Non-Retail no Brasil nos próxim...
Picture of <span class="artigo-escrito">Por: </span>Interplayers

Por: Interplayers

Pesquise pelo o artigo

Assine nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades do mercado de saúde e bem-estar.

Categorias
Varejo Farma
Saúde Suplementar
Saúde Corporativa
Pacientes
Mercado & Tendências
Médicos
Laboratórios Clínicos
Institucional
Indústrias
Distribuidores
Clínicas e Hospitais

Utilizamos cookies para melhorar sua experiência. Para mais informações, consulte nossa Política de Privacidade. Ao clicar em aceitar, você concorda com todos os cookies.